13/05/2020 Bento Gonçalves: polo moveleiro tem queda de faturamento superior a 3% no primeiro trimestre
26/05/2020 Entidades de Bento unidas pela retomada responsável das atividades

Imprensa / Notícias

18/05/2020

Empresas do setor moveleiro produzem máscaras para o serviço de saúde

A pandemia de Covid-19 resultou numa escassez de máscaras descartáveis para profissionais de saúde. Com dificuldades na compra em virtude da enorme demanda mundial, o Hospital Tacchini precisou acionar empresas voluntárias para a produção local. Três indústrias de estofados associadas ao Sindmóveis e expositoras da Movelsul Brasil uniram forças para a produção de máscaras para as equipes de saúde do hospital.

As empresas Ancezki, Aziforma Estofados e Villa Imperial Estofados articularam suas equipes e maquinário para essa produção, que é entregue ao Hospital Tacchini conforme o ritmo de produção. O diretor da Villa Imperial, Juarez Osmarin, destaca que sua empresa está comprometida com a saúde local e especialmente com os profissionais da linha de frente. “Cada segmento de mercado deve se adaptar e proteger as pessoas que trabalham e também as pessoas que frequentam o local. Precisamos de atitudes para proteger e também fazer a economia girar e com isso evitar uma catástrofe maior”, entende.

As indústrias começaram esse trabalho voluntário no mês de abril e seguem executando a confecção conforme a entrega de matéria-prima pelo Hospital Tacchini. O empresário Douglas Giordani, da Aziforma Estofados, conta que inicialmente providenciou um contraturno só para a produção das máscaras e, depois de atingir um bom volume de peças, conseguiu ajustar o trabalho voluntário dentro do seu cronograma semanal. “O lado humano pega muito forte num momento como esse. Essa é uma contribuição que estava a meu alcance, então é uma honra poder ajudar”, conta.

A indústria moveleira de Bento Gonçalves está operando de acordo com a bandeira Laranja do Distanciamento Controlado instituído pelo Governo do RS. Isso significa que as empresas moveleiras podem funcionar em regime de teletrabalho e presencialmente, mas de forma restrita. É autorizado o funcionamento com 75% dos trabalhadores e respeitando todos os protocolos de prevenção.