02/05/2019 Sindmóveis e Sebrae criam projeto para ampliar presença digital da indústria moveleira
07/05/2019 EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA

Imprensa / Notícias

06/05/2019

Cinco fatores que vêm mudando o olhar do mundo sobre o consumo

A análise de megatendências é uma ferramenta importante para setores que desejam estar à frente das mudanças nas preferências e valores do consumidor. Recentemente, o Euromonitor International divulgou o relatório “Entendendo os Drivers Socioeconômicos de Megatendências”, descrevendo cinco fatores que vêm moldando os mercados consumidores com o poder de transformar e romper categorias inteiras. O documento também identificou as forças subjacentes que impulsionam mudanças de atitude e comportamento no consumidor: os drivers.

Segundo o Euromonitor, as megatendências podem evoluir de diferentes maneiras em diferentes setores, mas diferem das tendências de setor, pois estão solidamente estabelecidas e tem elementos comuns em vários setores. “É importante reconhecer e ter uma compreensão clara de questões sociais, fatores econômicos, tecnológicos e ambientais, que formam um cenário em constante mudança para o consumidor comportamento. A análise de megatendência é fundamental para as empresas que buscam um crescimento sustentável e querem permanecer relevantes à medida que a concorrência aumenta e novas ideias perturbam indústrias inteiras”, descreve o documento.

Já que os drivers são essenciais para que as empresas construam uma estratégia pró-ativa em vez de reativa, listamos aqui os cinco fatores socioeconômicos que geram e moldam as megatendências do consumidor. Eles dizem respeito a posses, interesse na vida saudável e ética – e podem ter bastante influência sobre o modo de morar das pessoas e, consequentemente, o segmento moveleiro.

 

1- Mudança do poder econômico

 

O crescimento econômico global sofreu uma grande mudança para os mercados emergentes. O ponto de virada foi em 2008, quando mercados emergentes superaram os países desenvolvidos pela primeira vez em sua contribuição para o PIB mundial. Essas mudanças dinâmicas desempenham um papel poderoso na condução das megatendências mais influentes mercados de consumo.

Economias desenvolvidas estão enfrentando ventos contrários. Ao mesmo tempo, países emergentes e em desenvolvimento estão previstos para dominar o crescimento econômico no restante do século XXI. Existem vários centros de poder econômico, como Brasil, Rússia, Índia e China (BRIC) e México, Indonésia, Nigéria, e Turquia (MINT), que estão transformando a economia global e desafiando o status de economias. As economias desenvolvidas devem crescer 20% em termos reais nos 13 anos entre 2018 e 2030 e , até 2030, economias como como Etiópia, Ruanda e Moçambique estão previstos para mais que triplicar em tamanho de seu PIB, demonstrando a crescente importância econômica dos mercados emergentes da África.

 

 

2- Tecnologia

A tecnologia desempenha um papel crucial na tomada de decisões do consumidor e na capacidade de as empresas atenderem às necessidades do consumidor de hoje. Ela criou revoltas maciças nas expectativas dos consumidores, reduziu as barreiras de entrada para empresas de movimento rápido, e inspirou novo modelo de negócios que começa no digital. Conectividade é o novo normal. O número de usuários da internet mais do que duplicou na última década, dando lugar a uma verdadeira participação em massa das pessoas na tecnologia. A partir de 2018, quase metade da população mundial usa a internet, e três quartos terão acesso até 2030.

 

 

3- População

As tendências populacionais, como urbanização, migração e envelhecimento, estão se combinando para reformular os estilos de vida dos consumidores e as decisões de compra. Como a população global aproxima-se de 8 bilhões, as mudanças demográficas estão se combinando para remodelar os estilos de vida dos consumidores e decisões. O crescimento populacional e a urbanização rápida vão pressionar os recursos e o meio ambiente, mas também aumentar preocupações dos consumidores sobre a sustentabilidade. Em 2030, 61% da população mundial viverá em áreas urbanas, 995 milhões terão 65 anos. A rápida urbanização e o crescimento populacional na Ásia e na África darão origem a mais consumidores conectados, graças à expansão da população jovem e à melhor conectividade. Envelhecimento dos consumidores, casamento mais tarde e famílias menores, todos impulsionam a demanda por produtos premium.

 

4- Mudanças e Pressões Ambientais

O comportamento do consumidor está sendo rapidamente moldado pela competição por recursos e o aumento da conscientização sobre os desafios ambientais. Isso traz desafios e oportunidades para os negócios. As alterações climáticas, a concorrência pelos recursos, a poluição e os resíduos estão criando pressões ambientais. Ao mesmo tempo, à medida em que a população cresce, a renda e a qualidade de vida também aumentaram. Essas pressões resultam em custos crescentes de produção, volatilidade dos preços das commodities e crescente competição por recursos.

Com a ascensão de consumidores éticos, produtos ambientalmente responsáveis e embalagens biodegradáveis ??estão ganhando espaço nas prateleiras dos supermercados. Ao mesmo tempo, o panorama regulatório está mudando com políticas recentes, como a proibição chinesa de resíduos de importações, o imposto francês sobre embalagens plásticas não recicladas ou o pacote da Economia Circular da UE.

 

5- Mudança de valores

Houve uma enorme transformação no que é importante para os consumidores. O rápido aumento da as conexões trouxe velocidade, conveniência e acesso instantâneo ao longo da vida. Consumidores conectados podem chamar um táxi, reservar um voo, procurar produtos, pedir comida, ouvir música, jogar um jogo, assistir a um filme ou conversar com outras pessoas usando conectividade com a internet. Isso está desenvolvendo uma maior autoconsciência e está ajudando os consumidores a tomar decisões mais conscientes.

O consumo consciente está no centro da mudança de valores e prioridades. Passaram os dias de propriedade como um símbolo de status. As economias desenvolvidas vão injetar um gasto de quase quatro bilhões de dólares com serviços entre 2018 e 2030. Os bens duráveis, por outro lado, vão ter incremento de 503 milhões de dólares. Os consumidores tendem a não mais ter relacionamentos profundos com as coisas que eles possuem – em vez disso, encontram apego emocional em experiências e realizações. Ao mesmo tempo, as marcas estão sob pressão para colocar mais ênfase na responsabilidade social, investir ativamente em soluções para questões sociais e fazer mudanças para melhor. Os funcionários agora estão escolhendo seus empregadores, exigindo políticas de responsabilidade social; movimentos estão promovendo igualdade de gênero, renda e raça e estão reformulando o local de trabalho. Como resultado, as empresas têm que cumprir direitos humanos, igualdade de remuneração e transparência.